terça-feira, 31 de maio de 2011

Será que somos tão bonzinhos assim?



Nós todos nos julgamos tão bons, tão gentis, tão humildes.
Horrorizamo-nos com as atitudes de pessoas que jogam seus filhos fora, como lixo.
Somos tudo de bom (assim nos julgamos).
Mas será mesmo?
Olhe para você mesmo quando encontra com alguém dormindo na rua, quando vê crianças pedindo nas esquinas, quando joga seus pratos cheios de comida na sacola do lixo.
E quando estamos na nossa cama quentinha? Nossa, que bom ter todas aquelas cobertas edredons, tudo tão bom.
Bom, meus caros amigos estou aqui apenas para pedir que paremos para refletir, pedir que olhemos essas pessoas com um olhar diferente, olhemos com os olhos do coração e percebamos que elas sofrem muito mais ao pedir algo, do que nós sofremos para dar-lhe algo.
Não achemos que porque Deus nós permitiu ter mais bens materiais, que outros estamos em uma situação melhor, porque o que defini isso não dá pra tocar, nem pra ver, está em nossos corações.
Veja dentro das suas possibilidades, com certeza você irá encontrar uma forma de ajudá-los, mesmo que não seja com dinheiro, afinal dinheiro não traz felicidade, mas, pode ser que um sorriso, um aperto de mão, uma palavra de incentivo, uma oração ou até mesmo um alimento, uma roupa, um colchão, um cobertor, um sapato.
Tudo isso meus amigos fazem a diferença e eu lhes garanto, tendo esse ato de bondade, o maior beneficiado somos nós, que ao final percebemos que é muito melhor SER do que TER.
Um grande abraço, fiquem na PAZ DE DEUS.

Ciléia Ferreira

Gosto de Gente



Gosto dos mortais.

Mas, gosto mais quando assumem suas fraquezas.

Gosto dos que erram.

Mas, gosto ainda mais dos que assumem seus erros.

Gosto dos choram.

Mas, gosto ainda mais dos que sorriem.

Gosto dos vencedores.

Mas, gosto ainda mais dos que perdem lutando.

Gosto das mulheres fortes.

Mas, gosto mais ainda das que assumem suas estrias, celulites e continuam lindas.

Gosto dos homens alegres.

Mas, gosto ainda mais dos que conseguem sorrir com o coração sangrando.

Gosto dos jovens.

Mas, gosto ainda mais dos velhos, pois neles está depositado as grandes verdades.